Hackers ameaçam com terrorismo e Sony libera salas a não exibirem "A Entrevista"

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo que invadiu sistema do estúdio ameaça atacar cinemas; decisão de colocar filme em cartaz fica para os exibidores, e ao menos um complexo americano já desistiu da ideia

Os hackers que invadiram os sistemas da Sony Pictures ameaçaram atacar salas de cinema americanas que exibam o filme "A Entrevista", comédia na qual James Franco e Seth Rogen conduzem um plano para matar o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

Leia também: Aaron Sorkin critica mídia por divulgar material vazado por hackers
Saiba mais: Entenda a guerra entre a Sony Pictures e hackers norte-coreanos

O lançamento do longa motivou o ataque ao estúdio, que significou o vazamento de filmes inéditos, e-mails comprometedores de executivos, salários de artistas, entre outras informações. O grupo Guardiões da Paz assumiu o ataque, enquanto o governo da Coreia do Norte negou qualquer envolvimento. Uma investigação do FBI está em andamento.

James Franco e Seth Rogen são protagonistas do filme 'A Entrevista'. Eles interpretam dois repórteres que são enviados à Coréia do Norte para matar o ditador Kim Jong-un. Foto: DivulgaçãoJames Franco e Seth Rogen são protagonistas do filme 'A Entrevista'. Eles interpretam dois repórteres que são enviados à Coréia do Norte para matar o ditador Kim Jong-un. Foto: DivulgaçãoJames Franco e Seth Rogen são protagonistas do filme 'A Entrevista'. Eles interpretam dois repórteres que são enviados à Coréia do Norte para matar o ditador Kim Jong-un. Foto: DivulgaçãoJames Franco e Seth Rogen são protagonistas do filme 'A Entrevista'. Eles interpretam dois repórteres que são enviados à Coréia do Norte para matar o ditador Kim Jong-un. Foto: Divulgação

"Nos lugares e horários em que 'A Entrevista' for exibido, inclusive na estreia, mostraremos claramente a vocês o amargo destino de quem procura diversão no terror", diz a mensagem dos hackers. "Em breve todos verão o terrível filme que a Sony fez. O mundo ficará cheio de medo. Lembrem dos ataques de 11 de setembro de 2001. Recomendamos que vocês fiquem longe desses lugares [os cinemas]. Se sua casa é perto, melhor sair. O que quer que aconteça nos próximos dias será por causa da ganância da Sony Pictures."

Leia também: E-mails mostram executivos da Sony falando mal de Leonardo DiCaprio
MaisVazam e-mails de executivos da Sony criticando Angelina Jolie: "Mulher mimada"

Divulgação
Pôster de "A Entrevista', que estreia no Natal nos EUA e em janeiro no Brasil

Depois da mensagem, a Sony cancelou a estreia de "A Entrevista" em Nova York. A turnê de divulgação do filme, que contaria com Rogen e Franco, também foi cancelada. 

No entanto, o estúdio disse que manterá a estreia do filme para 25 de dezembro nos Estados Unidos (no Brasil, está marcada para 29 de janeiro). Os executivos acrescentaram que vão liberar de qualquer compromisso contratual os cinemas que preferirem não colocar o filme em cartaz por causa das ameaças.

A Carmike Cinemas, que opera 278 salas em 41 Estados americanos, já afirmou que não exibirá o filme. Se outros complexos seguirem o mesmo caminho, o prejuízo pode ser milionário para o estúdio.

Agências de segurança americanas disseram que não há nenhuma informação concreta sobre uma ameaça terrorista, mas disseram estar considerando os alertas com seriedade.

Os hackers também prometeram vazar mais documentos como um "presente de Natal". Ainda não se sabe o que a nova leva de documentos inclui, mas seu título é "Michael Lynton", nome do CEO do estúdio.

Siga as redes sociais do ON:

Curta a página do ON no Facebook

Acompanhe o ON no Google+

Siga o ON no Twitter

Leia tudo sobre: hackersataque contra a sonycinemaa entrevistaterrorismo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas