Produtor de Mamonas Assassinas tenta emplacar novo nome da MPB

Por Reinaldo Glioche , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Camila Maia é apaixonada por música e faz música apaixonada. EP que leva seu nome revela talento pronto para acontecer

Fazer música é um misto de paixão, instinto e dedicação. Mas um bom produtor pode ser decisivo para um talento acontecer. Camila Maia já gravou três discos antes do EP que leva seu nome e que está sendo lançado agora. A diferença é que “Camila Maia” marca sua estreia em uma gravadora, a Midas Music, e o começo da parceria com o produtor Rick Bonadio.

Camila Maia durante um de seus shows
Reprodução/Facebook
Camila Maia durante um de seus shows

Bonadio é uma das figuras mais icônicas em matéria de revelar novos talentos da música brasileira. CPM 22, Los Hermanos, NX Zero, Charlie Brown Jr. e Mamonas Assassinas foram alguns dos artistas produzidos por Bonadio em início de carreira.

Foi o produtor quem descobriu Camila. “Recebi uma mensagem no Facebook do Fernando Prado (produtor associado do EP). Ele me conheceu na época em que eu estava com uma música na trilha de “Malhação”.

"Eu nem acreditei. Não imaginava uma forma de chegar até ele (Bonadio)".

A sintonia, conta Camila ao iG, foi imediata. “Ele (Bonadio) inventou uma melodia no piano e disse: ‘começa a cantarolar aí’. E aí surgiu a música “Deixar pra trás” (que encerra o EP). No primeiro dia. Antes de a gente fechar qualquer coisa”.

Essa faixa, apesar da estampa romântica, fala da relação de Camila com a música por meio de versos como Meus dias pedem por você/O desejo de voltar/Ao tempo que passou/Não vou mais perder/A chance de ter o que sempre sonhei/Eu sei onde vou/Vou contar pro mundo. Trata-se de uma sofisticação autoral que surgiu ali, em um estalo. Um senhor prenúncio da boa fase que “Camila Maia” pode detonar para a cantora.

Sonho em transição

O ano de 2015 foi de trabalho. Foi de “encontrar o meu timbre. Aquele que me representa”. O EP reflete esse momento de transição, de amadurecimento de uma cantora em busca de um espaço seu. Mas ciente de que ainda precisa conquistá-lo. Passa por aí a escolha de “Tudo com Você”, uma composição de Vanessa Rangel – que ganhou fama com a canção “Palpite”.

Rangel não é exatamente uma referência para Camila. “Ela foi produzida pelo Bonadio e como a gente ouve muita coisa enquanto tá compondo, ele me sugeriu ouvir essa música”, revela. “Eu falei ‘Rick tá muito MPB, não é a minha cara’ e ele bolou essa nova roupagem”.

A faixa se transformou e provocou em Camila o desejo “de ter escrito ela”.

A Cantora Camila Maia
Reprodução/Facebook
A Cantora Camila Maia

A busca de Camila rima com o romantismo que lhe impregna a essência. “Mundo Particular”, sua outra composição no disco, “é de amor também, mas de um amor mais bem resolvido”.

Dessa combinação, resulta a naturalidade do trabalho que tanto cativa quem se dispõe a apreciá-lo. “Tem artistas que são produzidos, mas eu acho que não dura”, teoriza a mineira que canta desde os 14 anos e vislumbra, aos 27, um futuro mais colorido para seu sonho.

Àquele que lhe ajudou a tirar o sonho do pop acústico e o está aproximando da MPB, Camila é só elogios. “Conhecia o Rick pela mídia. O que mais me encantou foi a presença dele em todos os processos da criação. Ele é um músico mesmo. Ele é muito bom para direcionar. De achar os tons para música”, observa entre risos incontidos.

Leia tudo sobre: Camila MaiaSom

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas